Estória do Mês | Judith Navarro e a Azinhaga dos Besouros

453

No fim da década de 40 do século XX, começaram a chegar os primeiros moradores ao bairro ilegal da Azinhaga dos Besouros e, na década de 80, viviam no bairro, aproximadamente, três mil pessoas, de várias etnias e com graves problemas sociais.

Em 1948 a escritora Judite Silva, com o pseudónimo de Judith Navarro, publicou o romance “A Azinhaga dos Besouros”.

Neste livro, uma das mais promissoras escritoras da década de 40/50, utilizou o tom de revolta e de denúncia, retratando um bairro pobre, dos arredores de Lisboa, com existências miseráveis e dramas sociais e económicos.

Um livro forte, impressionante e brutal onde a escritora se inspirou em vidas marcadas pelo sofrimento.

Judite Silva, ou Judith Navarro, nasceu em Torres Novas, em 1908 e faleceu em 1987 na cidade de Torres Vedras. Desde muito jovem colaborou com diversos jornais e revistas, sendo a sua obra de estreia “Rendas Vermelhas”, de 1934.

Após o casamento, viveu na zona da Amadora, com conhecimento de causa da situação social dos moradores da Azinhaga dos Besouros, artéria atualmente partilhada pelas Freguesias de Pontinha e Famões/Odivelas e da Encosta do Sol/Amadora, tão bem retratada na publicação.

Bastante elogiada pela crítica, nomeadamente no pormenor de criação do universo interior das personagens, o esquecimento desta escritora é injusto, ficando a sugestão: nestas férias descubra uma das escritoras “considerada peça importante na genealogia da escrita das mulheres” e reveja os espaços da nossa Freguesia retratados na literatura portuguesa.